Artigos Beleza e Saúde



Preenchimentos X Toxina Botulínica – Qual a diferença?


Talvez para você esse título não faça nenhum sentido, pois são coisas totalmente diferentes. Mas para muitas pessoas isso não é tão claro assim.

Preenchimentos, como o próprio nome diz, são preenchedores, substâncias que fazem volume na região em que são colocados e exercem sua função aumentando a área desejada. Podem ser usados com segurança em muitas partes do corpo humano, e geram resultados muito bons quando bem indicados. Popularmente são procedimentos chamados de Bioplastia.

Diversos materiais podem ser usados para esse fim, como “volumizadores”. Alguns são produtos temporários, que são degradados pelo nosso corpo, desaparecendo com o passar do tempo, como é o ácido hialurônico e a hidroxiapatita. Outros materiais são permanentes, e fixam-se nos tecidos às custas de uma cicatriz que ocorre em torno das suas partículas, na área onde são aplicados. O metacrilato é o material mais utilizado atualmente.

O ácido hialurônico é o grande produto do momento para preenchimentos. Tem quase todas as características para ser o produto perfeito para volumização. A indústria farmacêutica o vende em diversas apresentações, dependendo da área a ser aplicada. Alguns mais densos, outros mais líquidos, cada um com uma determinada função, com características próprias. O ácido hialurônico ainda tem outra função, que é a de reter água, aumentando a hidratação da pele na área onde é aplicado.

Já a toxina botulínica, com diversos nomes comerciais (Botox®, Dysport®, Prosigne®, Xeomin®, Botulift®), existe para paralisar os músculos onde é aplicada. Ela não tem qualquer efeito de aumento de volume. A toxina botulínica faz a ruga desaparecer porque paralisa o musculo que a causa, e não porque ela preenche a ruga. Esta medicação provem da bactéria Clostridium botulinum. Domada em laboratório e utilizada em doses muito baixas, ela é aplicada diretamente na área a ser paralisada, e exerce seus efeitos de maneira a melhorar as rugas dinâmicas do rosto, como as da testa, da região dos olhos ou do nariz. Seus efeitos, infelizmente, são temporários, durando de 3 a 6 meses.

Mas as coisas não precisam ser eternas para serem maravilhosas, não é mesmo? Claro que não. Cada vez mais na medicina preferimos substancias temporárias, que causam pouca ou nenhuma reação tecidual, às substancias permanentes, que podem causar nódulos dolorosos nas áreas aplicadas, ou mesmo podem carregar germes consigo, causadores de infecções. Materiais permanentes podem, mesmo que ocasionalmente, se deslocar do local onde foram implantados e gerar problemas que não existiam previamente.

Apesar disto, estes materiais chamados aloplásticos, são seguros para uso médico sim, desde que usados por profissionais experientes e com parcimônia. Não é possível modelar o corpo todo com produtos aloplásticos sem estar expondo o paciente a muitos riscos. Nem é possível modelar o corpo todo com ácido hialurônico por conta do alto custo deste produto. Por isso que para grandes áreas existem os implantes de silicone – mama, glúteo, panturrilha, peitoral, bíceps. Estes implantes são preenchidos com silicone gel, e envolvidos por várias camadas de silicone sólido que previne o extravasamento do gel para o nosso corpo. Eles podem ser facilmente retirados, se necessário, e não infiltram os tecidos onde são implantados.

O silicone na sua forma liquida não é um produto que pode ser aplicado diretamente nos tecidos humanos. Ele infiltra todos os tecidos (pele, gordura, músculo, nervos, vasos), mas não se fixa rapidamente, migrando muito facilmente, às vezes até por efeito da gravidade. Não pode ser retirado depois de aplicado, e gera uma reação local irreversível de inflamação. E ainda tem o risco de ser injetado dentro de um vaso, indo para a circulação e entupindo todo o sistema vascular do pulmão, causando a morte. Nunca, nunca permita que alguém aplique silicone liquido em você ou em qualquer pessoa que você conheça. Os efeitos, se não fatais, são altamente destrutivos, e exigirão cirurgias mutilantes para sua retirada.

Mas ácido hialurônico e toxina botulínica você pode usar com toda a tranquilidade, desde que esteja acompanhada por um profissional consciente e habilitado – um Cirugião Plástico ou um Dermatologista.

Dr. Antonio Greca Born
Cirurgião Plástico
Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.